06 janeiro 2012

romã




Pode até já ter passado o tempo, mas gosto de comer as grãs das romãs, uma por uma, pausadamente, numa deleitação escorrida na boca, daquele suco acerbo e ameigado, abstruso num quebradiço embrulho. É a sensação de ribombar com os dentes molares, provocando sons minúsculos, que vêm de dentro, que deixa então saborear a singularidade arábia, viajando para longe das inibições que não querem tirar a burca. Os sabores importam tanto, que servem de acepipe da terra prometida. A que se sonhou. Que deus prenunciou. E que a deusa permitiu. A do amor.




Volto a colar realidades na minha lista. 

Ana



1 comentário: