17 maio 2013

chove pra aí.

Não passas de um dia de inverno fora d'horas. Tu és somente o dia antes de amanhã, sempre no bater do relógio que não pára.

Tu choves na primavera como se fosse Novembro, porque te apetece. Podes, não é? E assim brincas com o coração que apertas de me levares para longe o Jorge.

- Jorge, estarei sempre à distância de um skype. Tem isso presente.

Ao menos isso.

Vou ignorar que hoje tu sejas frio e chuvoso. Vou-me estar a marimbar para que sejas cinzento e húmido.

Hoje és só mais um dia que antecede outro dia que me prolonga as distâncias.

Aprendo-me cada vez com as pessoas no meu centro cardíaco. Aguento. Como os outros. Quer tu chovas, quer não.

A vida justifica os aviões. Tira companhias à chuva, ao sol, no sofá, no café, na música. Mas deixa-as mais próximas nos meus olhos.

É só por isso que tu podes tornar-te dilúvio hoje. Não te temo. Tenho abraços importantes a dar. Conselhos de irmã mais velha, a que fica e não sabe se não esperar voltas e aeroportos ansiosos.

Ao Jorge só lhe peço calma. A ti... Olha, chove para aí que nem te vou olhar.

Lu

Sem comentários:

Enviar um comentário