25 abril 2014

as pessoas e os trampolins

O Tomé tinha um amigo chamado Alberto. O Alberto era casado com a Rita, que tinha três cães de caça mas que detestava esse suposto desporto. Os cães da Rita não eram chamados à história; apenas servem para garantir que a Rita adorava cães e todos os outros animais - principalmente o marido. 

A Rita dizia todos os dias que o marido era um animal, por motivos muito válidos. Mas a Rita continuava com ele. Por causa de imensos motivos que nada tinham que ver com o Amor. O Alberto invejava o Tomé. Pode dizer-se que o Tomé era invejado pelo amigo Alberto pelo simples facto de se chamar Tomé e todas as outras coisas que faziam o Tomé ser um gajo cheio de sorte. Por sua vez, o Tomé estava apaixonado pelo Adérito mas não podia assumir por que, supostamente, o Tomé era muito macho, tanto que tinha uma tatuagem de um dragão que lhe ia do pescoço pelas costas abaixo. O Adérito tinha a mania que ele sabia tudo e que o Mundo e que estava tudo certo com ele, até porque ganhava várias vezes no bingo e o patrão estava satisfeito com ele. 

A Rita estava cansada de passar a ferro e contratou uma empregada. A Tânia. Esta última era perfeitamente dispensável, por que a Rita não fazia nada se não pensar como havia pentear o cabelo. O Alberto andava irritado por causa do futebol e das notícias e da baba dos gémeos (que eram seus legítimos filhos com a Rita). O Adérito andava a fazer análises de mercado, muito absorto do que se passava com a economia, mas alheado do que passava com a Vera. E o Tomé passava o dia a tomar chá na Boavista, com a companhia de amigas loiras e morenas, dos doces de leite e chocolate e também da revista GQ. 

Um dia, a Rita partiu um dedo à conta de tentar segurar um monte de cd's da Tuna da sua antiga faculdade, que resvalaram por causa da Tânia, essa incompetente. O Tomé partiu um prato na casa de chá, por ter ouvido alguém dizer que a Beyoncé tinha uma caso com o Obama. O Alberto partiu as trombas a um gajo que vendia telemóveis da candonga, só por que esse lhe pediu um cigarro, ele que tinha deixado de fumar! E o Adérito encontrou a paixão da vida dele. Pois, era a Vera, que se cansou e fugiu com o Litos para o Chipre. O Litos era jogador de andebol. O Adérito só encontrou a Vera depois de ver as fotos do Chipre no facebook. 

Conclusão, a Rita não passava de uma mulher de trazer por casa. O Tomé era apenas uma pessoa bastante nervosa. O Alberto era um brutamontes. 

Já o Adérito... Se querem mesmo saber. O Adérito... Meteu-se no álcool. E só por isso a Agustina bebeu aquela garrafa de vinho sozinha, seguida de dois shots de absinto. 

Só lhe restava escrever.




Sem comentários:

Enviar um comentário